A Vacina, de Diego Rivera

Diego Rivera (1886 – 1957)
Indústria de Detroit (fragmento), 1932-33
Afresco

Instituto de Artes de Detroit, EUA

Em 1932 e 1933, o artista mexicano Diego Rivera pintou os murais Indústria de Detroit, conjunto de 27 painéis no interior do Instituto de Artes dessa cidade norte-americana. O que se destaca, aqui, é um detalhe, chamado A vacina. Lembra em muito a composição fartamente utilizada para representar o nascimento de Cristo: ao centro, um menino em fraldas, ladeado por um casal; os animais; três homens ao fundo, em uma possível referência aos reis magos. Rivera era um marxista, e sua visão do lugar do trabalhador naquela pujante indústria fica evidente no conjunto do mural. Cristãos acusaram o pintor de blasfemar ao fazer o que classificaram como uma caricatura da cena da manjedoura.


Rivera refutava: segundo sua explicação, a imagem retrata uma criança sendo vacinada, ladeada por um médico e uma enfermeira, tendo ao fundo cientistas. Os animais estariam ali para lembrar que a vacina contra a varíola foi desenvolvida a partir da observação da manifestação da doença nos úberes das vacas.

Os textos publicados com indicação de autoria são de responsabilidade dos respectivos autores, não representando necessariamente a opinião do HACER.

O HACER - História da Arte e da Cultura: Estudos e Reflexões é uma publicação do Coletivo HACER sob a Licença

Creative Commons 4.0 Internacional (CC BY-NC 4.0)